Notícias

⚠️ALERTA PARA A POSSIVEL CONCESSÃO DE ZONAS DE EXPLORACAO DE LÍTIO NOS VALES DOS RIOS ESTORÃOS E LABRUJA⚠️

22 DE Agosto DE 2019

A ALAAR está naturalmente preocupada com os pedidos e o planeado concurso público de concessões de prospecção e exploração em zonas circundantes, nomeadamente na faixa xistosa situada entre os vales dos rios Estorãos e Labruja e que chega até ao leito do rio Labruja no limite da nossa propriedade. 

Não se conhecem ainda as delimitações das áreas que vão a concurso público, mas, dos pedidos feitos em 2016, parte das nossas instalações parecem estar dentro da área já concessionada a José Aldeia Lagoa & Filhos SA para prospecção de quartzo, feldspato e lítio, e dentro da área pedida pela Slipstream/Savannah Resources para prospecção de lítio e outros metais.

➕ Pelo lado positivo, temos a proximidade da A3 e a improbabilidade de mineração que a afecte.

➖Mas pelo lado negativo, o Decreto-lei 54/2015 prevê a expropriação de zonas (denominadas “anexos mineiros”) adjacentes ou envolventes às zonas de concessão mineira, para a colocação de equipamentos, estruturas e vias de acesso necessárias à exploração. E neste momento não se sabe se seria a N306 ou a N201, ou ambas, que escoariam os produtos de mineração da Serra do Formigoso.


IMPACTES:

Para além do uso de imensas quantidades de ÁGUA e ENERGIA, uso esse que pode fazer SECAR FUROS e gerar APAGÕES, os impactes ambientais da extracção de lítio no Formigoso e na restante faixa de minério da nossa região seriam extensos e potencialmente catastróficos:

● A remoção de centenas de milhar de metros cúbicos de rocha no topo dos montes,

● A deposição dos materiais rejeitados (mais de 93%) em local incerto na vizinhança,

● POLUIÇÃO SONORA e VIVRAÇÕES causadas pelos rebentamentos (12 horas por dia, 360 dias por ano) e pelo trânsito de máquinas pesadas, cuja operação também implica riscos de INCÊNDIOS,

● Grandes quantidades de poeiras e partículas que o vento predominante de noroeste traria para cá,

● POLUIÇÃO DO RIO LABRUJA e dos lençóis freáticos da zona com escorrências dos rejeitados

● Perigo de aluimento dos terrenos fragilizados.

Se os problemas referidos são extremamente sérios para as pessoas, também o são para os animais, cuja capacidade de audição e sensibilidade a estes factores os aterrorizariam.

A Câmara de Ponte de Lima já deu um parecer desfavorável à mineração no seu concelho, mas esse parecer não é vinculativo. Neste momento precisamos do apoio e da vigilância de todos os nossos amigos para assegurarmos a protecção e a qualidade de vida na nossa área.

Assim, a ALAAR alerta a população para que se mantenha atenta e participe de forma ativa na contestação da possibilidade destas concessões acontecerem.